Amamentar é um ato de amor

Eu sempre tive muita sensibilidade nos mamilos, e era uma sensibilidade agoniante, durante as minhas aulas da pós graduação quando falávamos sobre amamentação eu sofria, pensando em quando fosse comigo.

Quando fiquei grávida, eu não tinha medo de nada(claro, tirando o medo de toda mãe de o bebê não estar bem, de perder o bebê e essas coisas), meu único desespero, era a amamentação. E eu queria muito amamentar, mas por todo esse receio, coloquei na minha cabeça, que se eu não conseguisse, eu não ia sofrer por isso, que eu iria no meu limite, que caso fosse desesperador pra mim, eu não ia continuar e estava tudo bem.

E como dizem né, que a gente só se decepciona pelo que a gente cria de expectativa, e acho que por isso que amamentar pra mim foi tão tranquilo, por que eu não criei expectativa nenhuma, eu tinha certeza que ia ser horrível, que eu não ia conseguir, que ia doer absurdos, e que tudo bem dar mamadeira pra minha filha, que eu não seria menos mãe por isso.

É claro que no começo doeu muito, lembro que nas primeiras semanas quando ela pegava meu peito, eu me contorcia de dor, mas logo passava aquela dor agoniante, ficava só uma dor incomoda mesmo, que dava pra levar. Mas claro, que sempre tomei muito cuidado com a pega correta, prestava muita atenção em como ela mamava, sabia que não podia ficar doendo durante toda a mamada, que no começo era normal doer, mas depois tinha que passar. A Isabella pegava direitinho o peito esquerdo, mas no direito era mais difícil, tanto que quase tive fissura nesse peito, mas reconheci o erro logo, arrumei a pega dela, e tratei o peito com pomada de lanolina, aliás, no 1o mês eu passava pomada toda hora, com medo de rachar, eu trouxe 2 bisnagas de Lansinoh dos EUA, e usei quase tudo.

No começo o peito vazava muito, até adequar a quantidade que ela mamava, com a quantidade produzida, e eu ficava com aqueles protetores de seio, tipo absorvente mesmo, mas comecei a ter uma sensação de que meu mamilo estava assado, de tanto usar o absorvente, então em casa eu ficava com a concha coletora, pois ela deixava o mamilo respirar. Hoje em dia, eu uso o absorvente pra sair, pois morro de medo de vazar leite, desculpa, mas eu acho horrível ficar com a blusa toda vazada, me sinto suja. Mas em casa já fico sem, só de top ou sutiã mesmo, e praticamente não vaza mais.

Então mamães, o meu conselho é, primeiro não crie expectativas, e segundo, se perceber que não está conseguindo, procure ajude, procure um profissional especializado, nos bancos de leite dos hospitais tem auxilio a amamentação de graça. Existem também várias consultoras de amamentação, vou deixar o instagram de algumas que sigo e gosto muito. Amamentação do Bem , Daniele Assessoria Materna

E sim, amamentar é um ato de amor, pois exige tempo, dedicação, abdicação, e sim dói, no começo dói bastante, mas passa. Como tudo na maternidade, passa, uma hora passa e vai deixar saudades.

IMG_4983

Amamentando logo quando cheguei do hospital

IMG_0053

Amamentando hoje

 

Um comentário sobre “Amamentar é um ato de amor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s